Aveiro entra em lista de municípios onde haverá ‘vazio sanitário’ da soja

Plantação de soja — Foto: Divulgação

O município de Aveiro, no oeste paraense, está na lista de cidades onde no período de 15 de julho a 15 de setembro será proibido o cultivo, implantação do cultivo de soja e manter ou permitir a presença de plantas vivas de soja, em qualquer fase de desenvolvimento. É o chamado “vazio sanitário” da soja no Pará.

Segundo a Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), o objetivo

do vazio sanitário é prevenir e controlar a principal praga que acomete as plantações de soja: o fungo Phakopsora pachyrhizi, que é o causador da ferrugem asiática, uma doença que pode ocasionar até 75% de perda da safra.

O fungo possui alta capacidade de reprodução e disseminação. Por necessitar de hospedeiro vivo para sobreviver, ele prejudica a plena formação dos grãos, causando a queda prematura das folhas.

Devido aos riscos que a ferrugem asiática representa, a Adepará alerta

para o cumprimento do calendário, que impedirá danos às plantações, além de evitar perdas econômicas aos sojicultores.

A soja é o principal produto da pauta de exportação brasileira, alcançando, em 2020, o volume recorde de 119,4 milhões de toneladas exportadas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A soja, atualmente, representa cerca de 25% do valor exportado pelo setor no Pará.

Cadastro

Desde 2009, é obrigatório que todos os sojicultores paraenses, inclusive aqueles que utilizam quaisquer sistemas de irrigação, se cadastrem, anualmente, na Adepará. O registro do plantio deve ser feito por meio do preenchimento de formulário, que contempla informações sobre as áreas plantadas.

Os produtores que não se cadastrarem podem ser punidos de acordo com o previsto na Lei Estadual de Defesa Vegetal, e aqueles que não cumprirem a obrigatoriedade do vazio sanitário estarão sujeitos à notificação e à autuação.

Com informações g1 Santarém Pá

waldemir

Radialista/Blogueiro,