Polícia Militar intensifica ações de prevenção a suicídios entre crianças e adolescentes em Santarém

Ao G1, o Cel André Carlos, comandante do CPR-1 disse que trabalho inclui atendimentos com assistente social e psicólogos.
Coronel André Carlos participou do Mesa Redonda, na Rádio 94 FM — Foto: Sílvia Vieira/G1

O aumento no número de relatos de tentativa de suicídio entre crianças e adolescentes em Santarém, oeste do Pará, tem preocupado os órgãos de segurança. Para prevenir novos casos, a Polícia Militar está intensificando os trabalhos nos projetos sociais desenvolvidos pela corporação.

Ao G1, o comandante do CPR-1, coronel André Carlos disse que são preocupantes os relatos de pais e responsáveis durante o trabalho de orientação realizado pelo policiamento escolar, informando sobre tentativas de suicídios de crianças e adolescentes, inclusive de algumas atendidas por projetos da PM.

Para intensificar os trabalhos de prevenção, a Polícia Militar está contando com parcerias e atendimento com assistentes sociais e psicólogos nos seus projetos.

“É uma situação bastante preocupante, temos vários relatos de tentativas e alguns que infelizmente foram consumados, e como temos essa demanda muito grande que cuidamos de muitas crianças e adolescentes, temos que ter esse olhar para tentar detectar o que aquela criança esteja passando e se está pensando em cometer um ato desse”, disse coronel André Carlos.

Paralelo aos atendimentos com profissionais especializados, a Polícia Militar está intensificando palestras motivacionais e incentivando crianças e adolescentes a receberem informações saudáveis.

Ainda segundo o coronel André Carlos, muitas crianças relatam que presenciam o pai agredindo a mãe ou até mesmo já foram testemunhas de mortes entre familiares.

“É uma situação difícil. Às vezes a criança se retrai. Mas agora estamos começando a colocar assistente social e psicólogos que tenham o olhar atento para mostrar realmente o caminho do bem, pois muitas vezes a criança cresce vendo informações que fazem mal à saúde mental e perdem o sentido do que é bom ou ruim, até mesmo o sentido da vida. A nossa preocupação é essa, e como essas crianças estão sob a nossa responsabilidade, não podemos deixar que aconteça esse tipo de coisa”, completou.

(Blog Agora Notícia )

Fonte G1 Santarém Pará

waldemir

Radialista/Blogueiro,