Projeto de piscicultura deve ser retomado no Baixo Amazonas nos próximos meses

Pauta foi tratada pela Semap com o governador Hélder Barbalho e equipe técnica da Sedap.
Projeto de piscicultura engloba 50 produtores dos municípios de Santarém, Belterra e Mojuí dos Campos — Foto: Reprodução/Tv Tapajós

A reativação do projeto de fortalecimento da piscicultura no Baixo Amazonas foi uma das pautas tratadas pela secretaria municipal de Agricultura e Pesca (Semap) com o governador Hélder Barbalho e a equipe técnica da secretaria estadual de Desenvolvimento da Pesca (Sedap) durante a passagem do programa “Governo por todo o Pará”, em Santarém, na semana passada. Houve sinalização do governo para retomada do projeto nos próximos meses.

“Fizemos uma tratativa direta com o governador e o próprio secretário Hugo Suenaga que esteve com toda a equipe técnica da Sedap. E dentre as pautas, nós estivemos repassando alguns projetos técnicos de interesse das nossas comunidades, principalmente a reativação do projeto de piscicultura do estado do Pará, que é um projeto via Ufra e Funpea que está parado. Então, nós solicitamos que esse projeto possa retomar e tivemos uma boa resposta tanto do governador quanto da equipe da Sedap”, contou o titular da Semap, Bruno Costa.

Segundo Bruno, no Baixo Amazonas o projeto engloba 50 produtores dos municípios de Santarém, Mojuí dos Campos e Belterra. O projeto tem o objetivo de revitalizar a piscicultura no Pará por meio da capacitação de pequenos e médios produtores, além de recuperar e adaptar os viveiros, fomentar os principais insumos utilizados no processo de produção de peixes e fornecer assistência técnica especializada.

Bruno Costa, secretário municipal de Agricultura e Pesca — Foto: Sílvia Vieira/G1

Em 2018, a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), que é a executora do projeto, recebeu recursos via Ministério da Integração para atendimento de 18 município. Na região oeste, apenas Santarém, Itaituba e Altamira estavam na lista para capacitação aos produtores, recuperação ou adaptação de viveiros, implantação de tanques-rede e fornecimento de insumos. A expectativa é que em 2019, Belterra e Mojuí dos Campos também sejam contemplados.

Outorga da água

No Pará, um dos empecilhos para a produção de pescado em cativeiro é a outorga da água, em razão do processo burocrático dentro da secretaria estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

Bruno Costa acredita que em Santarém, a outorga não será um problema para os piscicultores que têm seus projetos implantados e querem incrementar a sua produção.

“Quando o projeto iniciou, nós tivemos uma conversa com a secretária Vânia Portela, que disse que não teria nenhum empecilho em relação a isso, e que a Semma está pronta a dar todo e qualquer apoio. Também é compromisso do nosso governador de descentralizar a Semas estadual para que de fato ela possa funcionar, tendo em vista a demora dos processos. Então, eu acredito que isso não será empecilho até porque a atividade dos piscicultores já ocorre, e para não tratar com repreensão, há interesse do município em trabalhar junto para regularizar os piscicultores para que a atividade possa continuar fluindo”, pontuou Bruno Costa.

Outras pautas

Aproveitando a presença do governador e de sua equipe técnica em Santarém, o titular da Semap apresentou outras pautas para o setor agrícola. Bruno Costa saiu das reuniões, confiante de que os pedidos serão atendidos pelo governo do estado.

“Nós estivemos pontuando a aquisição de equipamentos, principalmente tratores, implementos para preparo de áreas, bem como o fortalecimento das instituições na região do Lago Grande, como a Adepará, e de assistência técnica. Então foram pautas muito positivas e tivemos uma boa resposta tanto do governador quanto da equipe da Sedap, de que são pautas possíveis de serem realizadas”.

(Blog Agora Notícia )

Fonte G1 Santarém Pará

waldemir

Radialista/Blogueiro,