Policial do GTO e ex-mulher vão a júri popular pela morte de jovem em 2015 em Santarém

As investigações apontam para crime passional e revelam envolvimento da vítima com então esposa do policial.
Foto: Reprodução/Redes Sociais

O policial do Grupamento Tático Operacional (GTO), da PM, Antônio Miranda e a ex-mulher, Clarice Borges, estão sendo julgados nesta quinta-feira (6), no Fórum de Santarém, oeste do Pará, pela morte do jovem Ruan Figueira Fialho, de 20 anos. O crime aconteceu em 5 de outubro de 2015.

O policial estava foragido, inclusive com prisão temporária decretada pela Justiça. Ele se apresentou com um advogado um mês depois, no dia 5 de novembro de 2015 e estava na condição de desertor, quando o militar resolve abandonar o serviço. Ao ser preso, foi encaminhado para Belém.

As investigações apontam para crime passional e revelam envolvimento da vítima com então esposa do policial. Clarice Borges foi presa em maio de 2016 em Sorocaba, no interior de São Paulo, por envolvimento indireto no crime.

O G1 tenta contato com as defesas do policial Antônio Miranda e de Clarice Borges.

O crime

O jovem Ruan Figueira Fialho, de 20 anos, foi encontrado morto pela manhã, às margens da rodovia Fernando Guilhon, perto da ponte do Juá. Segundo a polícia, Ruan estava amarrado, com sinais de tortura e com marcas de tiros nas costas e na nuca.

(Blog Agora Notícia )

Fonte G1 Santarém Pará 

waldemir

Radialista/Blogueiro,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *