Supermercados prometem gerar cerca de 1.500 novos empregos em 2019

Rogério Uchoa/Arquivo

Existem atualmente em todo o Pará mais de 2.500 supermercados, que geram 32 mil empregos diretos, sendo 63% apenas na Região Metropolitana de Belém (RMB). Desse total de unidades, 70% são minimercados. Os outros 30% são médias, grandes e hiperlojas. A expectativa da Associação Paraense de Supermercados (Aspas) é que em 2019 haja um incremento de 4% a 5% nesse total de vagas, com geração de mais de 1.500 novos empregos diretos. 

Hoje a associação tem 45 empresas associadas agregando cerca de 85% do mercado supermercadista do Estado. A região Norte tem participação de 2,9% no faturamento nacional dos supermercados e o Pará figura na 14ª colocação no ranking de participação dos Estados, com 1,2%. O faturamento anual bruto de mais de R$ 3,6 bilhões, faz do Pará líder do setor supermercadista na região Norte. Os dados são da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). 

“As perspectivas para esse final do ano são bem mais animadoras que em 2017. Não teremos um crescimento tão grande esse ano, que deve ficar em torno de 3,5% a 4%, bem melhor que o crescimento do ano passado em relação a 2016 que foi zero. Mas para ano que vem devemos crescer mais”, destaca o empresário Jorge Portugal, presidente da entidade.

Ele lembra que todo final de ano existem as contratações temporárias onde as empresas reforçam em cerca de 5% o seu quadro, contratados de maneira temporária. “Muitos desses funcionários permanecem e aumentam a quantidade de empregos”.

ATACAREJOS 

A Aspas também abriga os chamados “atacarejos” que cresceram na região metropolitana nos últimos anos e que acirraram a concorrência no setor. “O conceito de atacado é quando você vende de portas fechadas. Quando você abre as portas e coloca check-outs se transforma em varejo. O atacarejo é a fusão desses dois conceitos, quando o consumidor pode adquirir uma quantidade maior de produtos por um preço bem mais baixo”, detalha.

Portugal destaca que a tendência hoje é a abertura de lojas menores, espalhadas nos bairros com 3 check-outs (caixas) no máximo, com um custo operacional bem menor. “Essa já é uma realidade em outros estados e que os empresários daqui já estão percebendo. Em São Paulo, Porto Alegre, Recife essas lojas, chamadas ‘lojas de minuto’ proliferam”, coloca.

O presidente da Aspas garante que o mercado supermercadista está estabilizado no Pará, com uma grande concorrência entre as redes, beneficiando o consumidor final, conforme migração para o interior do Estado. “Dentro desse contexto Castanhal será um forte polo de atração. Três lojas estão inaugurando no município: duas esse ano e outra no ano que vem. Os municípios importantes são Paragominas, Abaetetuba e Capanema que também vão inaugurar várias unidades”.

Jorge Portugal ressalta que o setor supermercadista paraense é um dos melhores do país em qualidade das lojas, no que se refere a tecnologia, conforto e espaço físico. “Nosso setor contribui com 6% do Produto Interno Bruto do Pará, o que é bem representativo e esperamos continuar crescendo e contribuindo ainda mais com o desenvolvimento do nosso Estado”, avalia.

Abertura de novas lojas e expansão de serviços

As grandes redes supermercadistas reservam boas surpresas para o setor em 2019. O grupo Líder, com 21 lojas espalhadas em Belém, Castanhal, Salinas, Marabá e Barcarena, gera hoje 14 mil empregos diretos. “Nós temos vários projetos e dependemos de financiamentos. Esse ano abrimos a unidade de Salinas e em 2019 devemos abrir novas lojas em Capanema e Abaetetuba, em junho e julho de 2019, gerando cerca de mais 1.000 empregos diretos”, assegura Oscar Rodrigues, um dos diretores do grupo.

O grupo Formosa atua com 4 lojas em Belém e Ananindeua e emprega hoje 3.300 pessoas de maneira direta. José Oliveira, fundador do grupo, disse que 2018 foi de recuperação e que o ano de 2019 promete. “Crescemos devagar e sempre, mantendo os pés no chão. Enquanto a região metropolitana tiver espaço, permaneceremos por aqui”, disse o empresário, ao ser questionado se pretende expandir o grupo para o interior do Estado. O Formosa iniciará em março a construção de sua quinta unidade, no bairro do Guamá. A obra deve durar 2 anos.

O grupo Nazaré opera com 5 lojas, todas em Belém, com 2 centros de distribuição, gerando mais de 3.500 empregos diretos e indiretos. Para 2019, a meta é expandir ainda mais as operações. “Temos sim uma expansão em planejamento inclusive com todas as lojas passando a atuar nos segmentos de varejo e atacado simultaneamente, que é uma tendência nacional”, destaca Renato Corrêa, diretor do grupo.

SUPERMERCADOS NO PARÁ

– Mais de 2500 lojas. Desse total, 70% são minimercados. Outros 30% são médias, grandes e hiperlojas

– 32 mil empregos diretos (63% na RMB)

– O faturamento bruto do setor no Pará é de mais de R$ 3,6 bilhões, o que faz do Estado líder na Região Norte.

– 61% adotam algum tipo de iniciativa para redução, reutilização ou reciclagem do lixo produzido em suas operações 

– 33% já oferecem alguma solução alternativa às tradicionais sacolas plásticas, como o uso das sacolas oxi-biodegradáveis e a oferta de sacolas retornáveis a preço de custo

– 13% das lojas já disponibilizam estações de coleta para reciclagem

– 73% oferecem produtos regionais em suas gôndolas

– A Aspas também abriga os chamados “atacarejos”, que cresceram na RMB nos últimos anos

Blog Agora Notícia 

Fonte: Aspas

(Luiz Flávio/Diário do Pará)

waldemir

Radialista/Blogueiro,