Casas de tradição afro religiosa se reúnem para homenagear divindades em Santarém

Dois eventos serão realizados neste sábado (23). Tratam-se da festa da cigana Salomé e do Candomblé de Xangô.
Médiuns se curvam diante de altar em terreiro de umbanda e candomblé, no Rio de Janeiro (Foto: Carlos Dias/G1)

SANTARÉM


Sabado (28) será dia de integração entre religiões com matrizes africanas em Santarém, oeste do Pará. Seguidores de diversas denominações afro religiosas, como o Candomblé, a Umbanda e o Tambor de Mina, vão se reunir para prestigiar o Candomblé de Xangô, às 18h, e a festa da cigana Salomé, às 21h, em dois locais diferentes. Ambos os eventos serão abertos ao público.

Pessoas de várias casas de Asé vão se unir para homenagear divindades e entidades, praticar a caridade e buscar a paz, conforme a tradição africana. As duas festas são realizadas todos os anos, geralmente no mês de julho. Nas comemorações, também haverá diversão entre os participantes, segundo os organizadores.

Candomblé de Xangô

O Candomblé de Xangô, orixá da justiça, será realizado na casa denominada Ilê Asé Oto Sindoyá, localizada na travessa Antônio Justa, 2363, entre as avenidas Coaracy Nunes e Irurá, bairro Caranazal. Haverá um banquete incluindo comidas africanas, que serão servidas pelos orixás.

Entre as comidas que fazem parte do ritual do Candomblé, serão servidos o amalá, conhecido popularmente como o caruru, e o abará, que é feito com a mesma massa do acarajé. No decorrer da festa, os orixás dançam e servem suas comidas típicas.

Na festa, os participantes usam roupas brancas, que simbolizam a propagação da paz, já que a energia (Asé) presente é transmitida por Oxalá, o associado à criação do mundo e da espécie humana, que, para algumas pessoas, é sincretizado com Jesus Cristo.

“O princípio geral da festa é agradar aos nossos ancestrais, orixás, por tudo de bom que acontece em nossas vidas”, explicou o Pejigan Paulo Araújo.

Embora seja do Candomblé, seguidores de outras casas de Asé vão ser convidadas a participar, além de pessoas interessadas em assistir ao rito litúrgico, que existe há pelo menos 300 anos no Brasil.

Orixá Xangô

Xangô, senhor da justiça, é o Orixá que considera as ações das pessoas, em todas as suas vidas. É conhecido pela sua lealdade, espírito guerreiro, agressividade e vaidade. Segundo as religiões afro, ele controla as forças do universo, a tempestade, os relâmpagos, os trovões e as chamas.

Apesar de seu espírito agressivo, Xangô é protetor com seus filhos e repassa orientação e segurança a quem precisa. Os filhos do Orixá geralmente são ambiciosos, autoritários, mas também generosos e misericordiosos.

As principais cores associadas ao Xangô são vermelho e marrom. Pelo sincretismo, Xangô pode se apresentar como São Jerônimo ou como São João.

Festa da cigana Salomé

A festa da cigana Salomé, entidade de luz e de curas, será realizada no terreiro de Mina Iansã, localizado na rua Muiraquitã, entre a rua Nações Unidas e a rua Marajó, bairro Interventoria. Serão servidas bebidas e comidas, incluindo, galinha no tucupi, galinha picante, vatapá, creme de camarão e saladas.

A comemoração vai envolver filhos de santos, clientes e outras pessoas que admiram a cigana. O filho de santo é toda pessoa que tem um compromisso com o orixá, vodun ou inkice e com a religião do candomblé ou demais religiões afro. Os pais de santo são pessoas preparadas espiritualmente para orientar a vida de seus filhos de santo.

Os ciganos quimbandeiros, ciganos de estradas e outras entidades vão se apresentar. A mãe de santo do terreiro de Mina Iansã, Brígida Bastos, pertence ao Tambor de Mina, mas é descendente da Umbanda. Ela contou que as religiões têm misturas e diferenças. O importante, na integração, é pregar a caridade, a paz e o amor.

Brígida ressaltou que as pessoas que frequentam a festa, assim como a cigana que será homenageada, são pessoas que buscam a paz. “A cigana é de muito amor, paz, da saúde e as pessoas que vão prestigiar são muito alegres, que tem a cabeça evoluída de alegria, felicidade e amor também”. Ela trabalha há, pelo menos, 35 anos com suas entidades que atendem a todos os que procuram auxílio espiritual em sua casa.

Neste tipo de festa, muitas pessoas levam rosas, bebidas, brincos, pulseiras, colares e outras joias que os ciganos gostam.

Cigana Salomé

A cigana Salomé é uma entidade de estatura mediana, pele morena clara, olhos e cabelos escuros bastante compridos e fartos. Atua a serviço da orientação e da cura. Esta entidade fazia previsões através de oráculos diversos e leitura das mãos.

Segundo as religiões afro, a cigana Salomé acolhe seus protegidos e os livra de perseguições, mas não admite mentiras ou traições. Nas festas, gosta de dançar e cantar, e em seguida, dá bênçãos e conselhos para seus seguidores. Recebe oferendas com velas amarelas e moedas douradas. Entende de cura dos chakras, de aromas, óleos, metais e pedras.

Os ciganos têm sua origem no trabalho com a natureza, a subsistência através do que plantavam e o desapego às coisas materiais. Estão sempre prontos a auxiliar aqueles que o invocam e necessitam de sua ajuda.

Blog Agora Notícia

Com Informações  G1 Santarém Pa

waldemir

Radialista/Blogueiro,