Servidores e população farão ato pela paz na terça-feira (15)

            Servidores da Educação Pública, do Detran e Polícia Civil realizarão
Mauro Ângelo/Diário do Pará

FIM DA VIOLÊNCIA


Servidores da Educação Pública, do Detran e Polícia Civil realizarão na terça-feira (15) a “Marcha Contra a Violência e Pela Paz”, uma caminhada pelo centro de Belém para cobrar o fim da insegurança que toma conta do Pará. O ato terá concentração a partir das 9h, na Praça da República, bairro da Campina, e seguirá em direção à Assembleia Legislativa, na Cidade Velha.

A manifestação é realizado pelos sindicatos dos Trabalhadores de Trânsito (Sindtran), dos Trabalhadores da Educação (Sintepp) e dos Servidores da Polícia Civil (Sindpol), mas representantes de outras entidades sindicais e popualção em geral são convidadas para se juntarem na caminhada.

“O Estado vive uma situação complicada na segurança, inclusive a segurança viária. Mais da metade da frota de veículos tem alguma irregularidade, o que contribui para a violência no trânsito. É fácil prever que veículos sem placa, sem lacre, sejam utilizados por criminosos”, afirma Élison Oliveira, presidente do Sindetran. “Isso é um reflexo da falta de atuação do Detran e órgãos de segurança no Estado”.

Os servidores esperam ser recebidos pelos deputados estaduais na Alepa, para que possam discutir formas de agir contra a violência. “Protocolamos um ofício, apresentando diversas questões, como saúde pública, educação, e a segurança, pública e viária”, continua Élison. “Precisamos que o governo atue de alguma forma. Nós, como população, não podemos conviver com essa situação. Pagamos tributos, mas não há investimento em segurança”.
http://www.agoranoticia.com.br/2018/05/14/bandidos-invadem-santuario-de-fatima-fazem-refens-e-roubam-renda-de-festividade/
Os movimentos ainda fazem um convite para a população participar do ato, exigindo seu direito por segurança. “Se o governo tem responsabilidade por essa omissão em relação à violência, nós também temos. Como cidadão, devemos exercer nosso papel e exigir nosso direito constitucional por segurança, se mobilizar, protestar. A sociedade também não pode ser omissa”, completou Élison.

(DOL)

waldemir

Radialista/Blogueiro,