Santarém solicita nova remessa de vacinas contra febre amarela

 


Foto: André Sobral/ Divulgação Prefeitura de Vitória

Prioridade é imunizar moradores e pessoas que vão para zona rural.
Divisa fez pedido de 10 mil doses que será distribuída na área urbana.

A Divisão de Vigilância em Saúde (Divisa) solicitou nova remessa de doses da vacina contra febre amarela para Santarém, no oeste do Pará. A prioridade é imunizar moradores da zona rural ou quem precisa se deslocar para essas áreas. A Divisa fez pedido de 10 mil doses, desse número, 3 mil já foram enviadas e distribuídas para 42 unidades da área urbana do município.

LEIA MAISPara estimular o jogo limpo, CBF anuncia o uso do cartão verde

A Divisa orienta a população de que só deve se vacinar quem vai para as regiões onde os casos da doença aumentaram, ou aqueles vivem em zonas de risco, especialmente áreas rurais e de mata. A imunização deve ser feita dez dias antes da viagem. Quem quiser se vacinar deve levar caderneta de vacinação e dar informações detalhadas sobre o deslocamento.

Foto-divulgaçãoMosquito haemagogus janthinomys, que também transmiteA Secretaria de Saúde do Estado do Pará (Sespa)informou, que um Plano de Contingência na região Oeste do Pará está em andamento após a confirmação de um caso de febre amarela em Rurópolis. O caso veio à tona depois que um macaco morreu em decorrência da doença do tipo silvestre na zona rural da cidade. A investigação do caso foi iniciada por meio de uma ação conjunta entre Diretoria de Vigilância em Saúde do Estado, Centro Nacional de Primatas do Instituto Evandro Chagas (IEC).

Deve tomar a vacina contra a febre amarela: morador de município com o vírus circulando ou visitante desses lugares, 10 dias antes de viajar.
Não devem tomar a vacina: grávidas, crianças com menos de seis meses, alérgicos a ovos e pessoas que vivem em áreas sem registro do vírus. Consultar um médico antes de se vacinar: pessoas com mais de 60 anos.
Sintomas da febre amarela: febre alta, pele e olho amarelos (o vírus lesiona o fígado) e hemorragia. Não pode tomar remédios à base de ácido acetilsalicílico.
Surto em Minas Gerais
O Ministério da Saúde confirma sete mortes por causa da febre amarela em Minas Gerais. Outras 46 mortes ainda são investigadas. O Estado tem 184 casos suspeitos da doença que não era registrada em cidades brasileiras há 75 anos.
Apesar de a febre amarela não ser registrada em meios urbanos desde 1942 no Brasil, o vírus nunca deixou de circular nas matas. Transmitido por mosquitos silvestres, periodicamente ele causa problemas. No dia 2 de janeiro deste ano começaram a ser registrados casos em Minas Gerais.

 

POST:WALDEMIR SANTOS

DO G1SANTAREM

INFO:TV TAPAJOS

waldemir

Radialista/Blogueiro,